Um pouco de paixão e já me sinto outra mulher. Uma dose de ilusão e já retomo o desejo de conquistar o mundo.

Desejo de ler um longo poema de Pessoa, sentada ao pé de quem.

Lá dentro, pequenina e de sandálias sem cor, apenas uma casinha no campo com uma horta para plantar, canteiro de flores (para alimento da alma), árvore de copa grandiosa capaz de abrigar a quem quisesse estar ali. Abraçados.

Carrego um regador.